Segundo estudo da Parallaxis, modal ainda pode avançar mais do que os índices apresentados até então

Andrezza Queiroga
Um levantamento realizado pela Parallaxis Consultoria revelou índices que apontam o desenvolvimento e uso do modal aquaviário, com foco na cabotagem, no País. De acordo com o estudo, somente no ano passado, o comércio exterior brasileiro movimentou US$ 454 bilhões, equivalendo a 742 milhões de toneladas. Deste total, a via marítima correspondeu a 96% (708 milhões de toneladas) do fluxo de comércio internacional sendo que a atividade portuária de longo curso possui alta representatividade no comércio exterior brasileiro, tendo movimentado em 2014, nos portos e TUPs (Terminais de Uso Privado), 713 milhões de toneladas, o que corresponde a um crescimento de 4,3% ou 29,4 milhões de toneladas em relação ao ano de 2013. Porém, na cabotagem, considerado um modal em crescimento e com potencial de uso por ser ecologicamente mais correto, eficiente e com um custo atraente, o volume de movimentação nos complexos portuários e TUps no ano passado foi bem menor, ou seja, um total de 213 milhões de toneladas. Apesar de este total indicar um avanço de 4% ou 8,3 milhões de toneladas em relação ao ano de 2013, ainda há espaço para crescer mais no modal.

Segundo a Parallaxis, apesar das taxas de crescimento da cabotagem seguirem patamares parecidos com a navegação longo curso e, ainda, ter potencial de exprimir crescimentos maiores, o levantamento aponta entraves como questões burocráticas e a baixa frequência de embarques e desembarques, que impedem o avanço do modal. Para saber mais sobre a cabotagem, previsões, benefícios e perspectivas do modal, visite o mais novo endereço eletrônico do Grupo Guia, www.portocabotagem.com.br. No site, é possível, ainda, ter acesso ao estudo exclusivo sobre este meio de transporte, além de informações relacionadas ao evento “A Hora da Cabotagem” e ao curso online “Migrando para Cabotagem”.

Fonte: Guia Marítimo